Belém, terça - 02 de setembro de 2014          
Home Currículo Som Diagnósticos Artigos Médicos Banco de Imagens Galeria de Vídeos Clipping Web Links Fale Conosco
Calculador de Idade Gestacional Novos Exames Ultra-Som 4D OSCAR Síndrome de Down Densitometria Óssea Translucência Nucal Diu Mirena
 
Translucência Nucal
Anomalias cromossômicas, higroma cístico e edema nucal

A translucência nucal (TN) é uma prega na nuca do feto, decorrente de um acúmulo de líquido sub-cutâneo na região cervical, que deve ser medida entre 11 e 13 semanas + 6 dias para o rastreamento de síndromes fetais (cromossomopatias), dentre elas a trissomia do par 21 ( síndrome de Down ), a trissomia do 13  (síndrome de Patau) e do 18 (Síndrome de Edwards), síndrome de Turner, além de inúmeras outras.

A translucência nucal (TN) é um acúmulo de líquido na região cervical posterior (nuca do feto) que é  fisiológica na fase entre 11 e 13 semanas + 6 dias , informa Dr. Eduardo Nassar, Diretor da CSD Clínica Som Diagnósticos, e para ser considerada normal deve medir no máximo 2,5 mm de espessura. Este acúmulo de líquido é decorrente de uma insuficiência cardíaca fisiológica que os pequenos fetos apresentam nesta fase, pois eles crescem muito rápido e o número de sarcômeros das fibras do miocárdio (músculo do coração) são insuficientes transitoriamente para suprir esta necessidade. Após este período esta insuficiência cardíaca fisiológica desaparece pois o coração fetal torna-se suficiente este flúído desaparece na nucal fetal. Em alguns casos quando esta prega tem uma espessura superior a 2,5 mm, pode significar uma insuficiência cardíaca mais acentuada. Como na grande maioria das síndromes fetais os fetos apresentam insuficiência ou anormalidades cardíacas, os pequenos fetos que tem a translucência anormalmente aumentada apresentam uma probabilidade maior de terem uma síndrome, como a síndrome de Down ou cromossopatia, ou simplesmente uma insuficiência cardíaca.

Aproximadamente 75% dos fetos portadores da síndrome de Down ( trissomia do 21 ) possuem a translucência nucal aumentada. Portanto a translucência nucal de espessura normal ( abaixo de 2,5 mm de espessura não exclui a possibilidade de síndromes fetais.

Assim também como a translucência aumentada não fecha o diagnóstico, aumenta o risco do feto vir a ter uma síndrome fetal. Portanto a translucência nucal é um marcador que faz parte do rastreamento de síndromes fetais no primeiro trimestre da gestação.


MEDIDA DA TRANSLUCÊNCIA NUCAL:

1 - A medida mínima do Comprimento-Cabeça-Nádegas (CCN) deve ser de 45mm e no máximo de 84mm. A idade gestacional ideal para avaliação da TN é de 11 até 13 semanas e 6 dias. A taxa de sucesso na obtenção da medida da TN neste período é de 98-100%, com queda para 90% à partir da 14a semanas. (Medida do CCN entre 45 - 84mm; idade gestacional entre 11-14 semanas)

2 - Os resultados utilizando a via transabdominal e via transvaginal são semelhantes, porém a via transvaginal a reprodutibilidade é maior.

3 - Deve ser obtida um bom corte sagital, para a medida do CCN.

4 - O feto deve ocupar 3/4 da tela (Figura 1).
Este processo de magnficação deve ocorrer de forma que cada aumento na distância dos calipers deverá ser de somente 0,1mm.

5 - Deve-se ter cuidado ao se distinguir entre a pele fetal e o amnio, porque nesta fase da gestação ambas as estruturas aparecem como finas membranas. Isto pode ser obtido esperando um movimento fetal espontâneo para longe da membrana amniótica, pode-se solicitar para a mãe tossir ou mexer no baixo ventre para provocar um movimento fetal.

6 - A espessura máxima da translucência sub-cutânea entre a pele e a pele que recobre a região cervical fetal deve ser colocado os calipers como na figura 2. Durante o exame, mais de uma medida deve ser realizada, sendo que a maior medida deve servir como referência.

7 - A Translucência Nucal deve ser medida com o feto em posição neutra. Quando o feto está hiperextendido a medida da TN pode estar aumentada em 0,6mm e quando o feto está fletido, a medida pode estar diminuida em 0,4mm. (Whitlow et al, 1998)

8 - O cordão umbiliacal pode estar na região cervical fetal em aproximadamente 5-10% dos casos, podendo produzir uma falsa impressão de aumento da espessura da TN, adicionando 0,8mm à medida da TN (Schaefer et al, 1998). Nestes casos, as medidas da TN acima ou abaixo do cordão são diferentes, portanto alterando o cálculo do risco, sendo mais apropriado usar a menor medida.

Figura 01
Feto com coleção líquida subcutânea na região da nuca. Cortesia Dra Eva Pajktr, University of Amsterdan
Figura 02
Feto com 12 semanas de gestação cariótipo anormal - trissomia 21, demonstrando aumento da medida da translucência nucal

Síndrome de Patau
Trissomia do cromossomo 13 ou trissomia D


Diagnóstico de anomalias cromossômicas
Confira o hotsite do Dr Eduardo Nassar sobre diagnóstico de anomalias cromossômicas no primeiro trimestre da gravidez


Células Tronco
Saiba um pouco mais sobre as Células Tronco, suas aplicações terapêuticas e as perspectivas futuras da utilização delas em tratamentos clínicos


OSCAR
Pioneirismo - Belém é a primeira capital da América Latina a Realizar o OSCAR - Avaliação de Risco de Anomalias Fetais em uma Única visita na Clínica.


Síndrome de Down
Saiba mais detalhes sobre a trissomia do gene 21


DIU Mirena
Avaliação Ultra-Sonográfica tridimensional (3D) para a visualização do dispositivo Intra-Uterino (DIU) tipo “Mirena”


Copyright 2006-2008 Todos os direitos reservados
Site mantido por Eduardo Nassar - Diretor da Clinica Som Diagnósticos - Clínica especializada em ultra-sonografia 4d (ultra-sonografia 3d em tempo real)
Conheça nosso glossário médico